João que se chamava Rosario

Sempre que mais um cliente nosso reconhece a cidadania, me recordo do início dele conosco.

 

Ricardo Gugliara, cidadania reconhecida em julho de 2019.

 

O processo do Ricardo, iniciou com um caso de pesquisa genealógica curioso, que acredito ilustrar o frequente problema de  não se localizar registros de nascimento de imigrantes italianos.

Ninguém conseguia localizar o  nascimento de um único membro da família Gugliara que, no Brasil, teve  sua grafia redigida como   Olhiara,  Ogliara, Golhiarra, Olhiarra, Oliara, Uliara, Ulhara!!

O registro de nascimento de todos os irmãos haviam sido  localizados no pequeno comune siciliano de Aidone, exceto João Olhiara (Giovanni Gugliara),  o último dos sete filhos nascido na Itália.

 

Aidone – Província de Enna – Sicília

 

A família já tinha conhecimento que todos haviam nascido em Aidone, menos Giovanni. Ninguém conseguia encontrar o registro dele.

Inicialmente pesquisei pelo  casamento dos pais de Giovanni, que me confirmou que ambos também haviam nascido no mesmo comune. Dificilmente apenas um dos filhos nasceria em outro  local, pensei eu.

 

“Atto di matrimonio” dos pais de Giovanni: Giovanni Gugliara e Giuseppa Maria Lanigra, ambos nascidos em Aidone.

 

Em contato com a oficial do comune, ela inicialmente me confirmou que Giovanni (o filho que pesquisávamos) não havia sido registrado em Aidone. Foi somente após eu solicitar um aprofundamento da consulta que desvendei o mistério.

Rosario Giovanni Gugliara, este era o nome completo e correto do antepassado de Ricardo que, curiosamente, chegou ele mesmo a solicitar a retificação no Brasil de seu sobrenome que constava como Ogliara    no registro de nascimento do filho, para Olhiara. Possivelmente para que a fonética ficasse igual a italiana. GLI em italiano tem o som de LHI.

No  Brasil, ele utilizou apenas seu segundo nome  (João em português), provavelmente pelo fato de Rosario ser um nome feminino no país.

Mas, por que a oficial do comune não havia inicialmente localizado o registro?

Porque ela consultava apenas o índice dos anos  a serem pesquisados e não, registro por registro dos livros de nascimento. No índice do ano de nascimento de Giovanni constava apenas “Rosario Gugliara”. Ela procurava por Giovanni Gugliara, e não localizava.

É extremamente comum  acontecer isso. Pesquisar detalhadamente por um registro civil é trabalhoso. Os oficiais dos comunes não tem tempo  (e muitas vezes boa vontade), para pesquisar os registros como deve ser feito. Por isso, um trabalho de pesquisa genealógica sério não pode se limitar a aceitação imediata da negativa de um comune.

Com a pesquisa concluída, Ricardo começou a pensar em um outro futuro e a providenciar conosco a assessoria necessária para que ele pudesse reconhecer sua cidadania italiana.

 

Deixe uma resposta